MERCADO PET: A GRANDE TENDÊNCIA DO E-COMMERCE

casal sentado no sofá com seus animais de estimação

 

De acordo com dados apontados pela Abinpet (Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação), o Brasil possui a segunda maior população de cães, gatos e aves no mundo e é o segundo principal mercado de produtos do setor.

Segundo a projeção do Instituto Pet Brasil, baseado nos dados até o terceiro semestre de 2020, o Brasil apresentou R$40,1 bilhões de faturamento na área, 13,5% a mais do que em 2019. A pandemia apenas deu maior abertura para um mercado que já vinha crescendo.

Atualmente, o setor de pets oferece produtos de alimentação, itens de higiene, além de serviços veterinários, banho e tosa e acessórios como brinquedos e vestuário. É possível encontrar hipermercados, inclusive com funcionamento de 24 horas, hotéis e serviços de sitter (babá) e dog walker (pessoas contratadas para levar os animais para passear).

Rodrigo Albuquerque, diretor-executivo do Grupo Pet Brasil – holding que abriga marcas/franquias, clínicas veterinárias, soluções de pagamento e gestão – discute em matéria para a Folha de São Paulo a nova visão do cliente que contribuiu para esse “boom” do mercado:

 “O animal, que ficava do lado de fora da casa e se alimentava com restos de comida, virou um filho. A humanização ganhou força do ponto de vista do consumidor, e, do ponto de vista do lojista, veio a necessidade de profissionalização”.

Isso significa que, nos últimos anos, os donos de pets passaram a investir mais em seus animais. Hoje, eles são considerados um membro da família.

Investimentos e aquisições

O mercado enxergou essa mudança: grandes players do setor como Cobasi, Petlove e Petz investiram na digitalização dos negócios, além de aquisições de outros nichos da área, como serviços de cuidados veterinários, de passeio, hospedagem e até de mídia. A Cobasi anunciou a compra da plataforma de cuidados animais, a Pet Anjo, enquanto, a Petlove comprou a VetSmart e a Vetus, além de uma fusão com a DogHero, plataforma que conta com serviços de passeio, hospedagem e tutores de animais. A Petz, uma das principais lojas com maior representatividade de marca, de acordo com relatório da Conversion lançado em março deste ano, adquiriu a Cansei de Ser Gato, plataforma de conteúdos que possui um dos podcasts mais ouvidos no Brasil em 2020, o “PodCat”, além de oferecer acessórios para gatos no e-commerce. Recentemente, a Petz também comprou a plataforma Zee.Dog e suas subsidiárias.

Levantamentos do setor

Segundo o mesmo relatório da Conversion sobre o mercado de comércio eletrônico em 2020 – em que quinze setores foram analisados -, o de Pet estava entre os dez que obtiveram aumento de mais 30% no YoY (Year over Year*) com crescimento de 88,4%, ficando apenas atrás do setor de importados. Já em relação à métrica Share of Buscar, que se refere à parcela de busca de uma marca dentro da categoria em que atua, no setor de Pet, as buscas são reflexo dos três players do mercado de animais de estimação: Petz (47,5%), Cobasi (35,5%) e Petlove (10,4%). Já as análises deste ano, apontada pela recente pesquisa da 44ª edição do Webshoppers, relatório sobre e-commerce no Brasil elaborado pela Ebit | Nielsen, sobre os dados do primeiro semestre de 2021, revelam alta de 56% no faturamento e 48% nos pedidos do segmento de Pet Shop.

Outro fator que contribui para este crescimento no mercado foi o isolamento provocado pela pandemia e a sensação de solidão decorrente, que fez com que muitas pessoas adotassem animais domésticos para fazer companhia. O Nubank, banco digital, contabilizou um aumento de 73,1% no número de clientes que tiveram gastos com o segmento pet em 2020, comparado ao ano anterior, o que demonstra o aumento de novos donos de pet de primeira viagem. 

Tendências pós-pandemia

Também, em matéria para Folha de São Paulo, Nelo Marranccini Neto, presidente do Instituto Pet Brasil, aponta algumas tendências do segmento pós-pandemia:

  • E-commerce continuará em evidência, mas isso não significa o declínio das lojas físicas. Marranchini destaca que após o avanço da vacinação, os consumidores voltarão a frequentar as lojas, já que muitos possuem o hábito de passear com seus pets e utilizar os serviços dos hipermercados.
  • Maior consumo de rações especiais com ingredientes naturais e produtos ecológicos, como areias sanitárias feitas de materiais biodegradáveis e outros recipientes para coleta de excrementos fabricados com materiais que se dissolvem no ambiente. Vale lembrar que esses produtos de categoria premium são, em sua maioria, importados. Portanto, a alta do dólar contribui para o crescimento do faturamento.

A Uello apresentou em sua página no LinkedIn, um breve panorama do mercado de pet no Brasil. Confira no link.

* Year over Year é um método de avaliação de dois ou mais eventos medidos para comparar os resultados de um período e outro em uma base anualizada, sendo ​​uma forma popular e eficaz de avaliar o desempenho financeiro de uma empresa.

TALVEZ POSSA TE INTERESSAR:

SE INSCREVA EM NOSSA NEWSLETTER